Mais leve, durável, sustentável e bonito que outros materiais, o alumínio é cada vez mais usado em caminhões. Se uma infinidade de produtos (como alimentos e bebidas) se vale dele nas embalagens para manter as características e chegar até os consumidores sem alterações de forma e sabor, o alumínio também “viaja” com essas mercadorias, seja nas carrocerias e furgões de caminhões, pelas ruas e estradas afora. Quem vê os “caminhões baú” em circulação talvez não se dê conta de que a maioria desses compartimentos tem Continue

Empresários e frotistas podem e devem ficar mais confiantes com 2019. O novo ano mal começou, mas já é possível ver reflexos bastante positivos na economia brasileira: bolsa alcançando patamares nunca antes vistos e o dólar caindo. O motivo: possivelmente a injeção de ânimo no mercado, gerada pela chegada do novo Governo, que sugeriu novas propostas e reformas para tirar o Brasil de vez da monotonia econômica dos últimos anos.   E como o setor de Transportes pode se beneficiar disso? Ora, tendo em vista Continue

Indústrias de implementos rodoviários têm forte aumento na produção em 2018.

Apesar de boa parte dos setores da economia do Brasil ainda registrar queda nas suas atividades, o mercado de implementos rodoviários está vivenciado um cenário bastante diferente e deve fechar 2018 com forte alta. Levantamento da Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários (Anfir) aponta aumento de 33,6% no emplacamento de novos produtos entre janeiro e outubro deste ano em comparação ao mesmo período de 2017. Um dos principais players deste segmento, a 4TRUCK registra números ainda mais significativos no mesmo período. Uma das referências Continue

4TRUCK Fábrica em Guarulhos

O sócio-diretor da 4Truck, Osmar Oliveira, conta que a empresa, mais voltada para a linha leve, cresceu acima do mercado. “Tivemos 100% de aumento em relação ao ano passado. O financiamento, muito importante para o setor, ficou mais facilitado e houve um movimento maior de renovação de frota.” Devido à crise, muitas empresas atrasaram as compras de novas carretas e carrocerias, o que gerou uma demanda reprimida. “As grandes empresas costumam renovar em três a cinco anos, mas muitas delas deixaram de fazer esses investimentos Continue